Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

LA MI RÉ

No silêncio do som... as notas que ficam...

No silêncio do som... as notas que ficam...

LA MI RÉ

29
Fev08

Sergei Rachmaninov e Tchaikovsky

lamire

Grande Auditório

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

 

 

Quinta, 6 de Março,  21.00

Sexta, 7 de Março, 19.00

 

 

Orquestra Gulbenkian

Alexander Lazarev Maestro

Arcadi Volodos Piano

 

 

Sergei Rachmaninov

Concerto para piano Nº 3, em Ré menor, op.30

Piotr Ilitch Tchaikovsky

Sinfonia Nº 2, em Dó menor, op.17, Pequena sinfonia russa

 

 

Rachmaninov e Tchaikovsky, por um lado, e Alexander Lazarev e Arcadi Volodos, por outro, são representantes de uma forma tipicamente russa de “ser artista”, a qual, sem perder as raízes nacionais, tem surgido como um ponto de referência para a vida musical de todo o mundo, aliás, como o fizeram tantas outras figuras desde Mravinsky a Vladimir Horowitz.

Nestes concertos da Orquestra Gulbenkian o destaque vai, naturalmente, para Arcadi Volodos, um dos mais conhecidos pianistas russos da actualidade. Nascido em 1972, na então Leningrado (São Petersburgo), Arcadi Volodos ingressou no mundo da música através do canto, não apenas porque os pais eram cantores, mas também porque foi este o domínio em que iniciou os seus estudos. Interessou-se um pouco mais tarde pela direcção de orquestra, mas foi pelo piano que o seu nome se internacionalizou. Os seus estudos pianísticos decorreram sob a supervisão de Galina Egiazarova, Jacques Rouvier e Dimitri Bashkirov.

A associação a Vladimir Horowitz tem sido feita frequentemente pela sua personalidade, mas também pelo gosto pelas peças de grande dificuldade técnica que permitem um enorme exibicionismo de recursos. Tornaram-se, aliás, aclamadíssimas as suas interpretações das transcrições de Horowitz sobre a Cármen, de Bizet, bem como a das Rapsódias Húngaras Nºs 2 e 15, de Liszt. Volodos possui várias gravações, das quais se poderão destacar um registo centrado nas suas próprias transcrições, o recital que marcou a sua estreia no Carnegie Hall, em 1998, e ainda os trabalhos dedicados a Schubert, a Liszt, ou a Tchaikovsky. No grande Auditório Gulbenkian será solista no Concerto para Piano nº.3 de Rachmaninov, uma obra que já gravou com a Orquestra Filarmónica de Berlim, sob a direcção de James Levine.

A direcção da Orquestra Gulbenkian caberá a Alexander Lazarev, um dos mais prestigiados maestros russos da actualidade. Lazarev começou a impor-se internacionalmente nos inícios dos anos 70 do século passado ao obter a vitória no Concurso Karajan, de Berlim. A partir dessa data o seu nome passou a ser representado no mercado discográfico por inúmeras gravações. Entre 1987 e 1995, foi Director Artístico do Teatro Bolshoi, período marcado por uma grande actividade. Nos últimos anos tem-se apresentado nas principais capitais musicais do mundo como convidado das mais importantes formações sinfónicas.

 

 

 

José Luís Figueira

Publicidade e Promoção

Serviço de Música

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Os meus links

ANÚNCIOS MUSICAIS

ARTESÃOS

ARTISTAS

Bilhetes espectáculos

COROS

Cultura

Festivais de Música

Grupos de Câmara

Maestros

Música

Outros

ORQUESTRAS

TUNAS

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2006
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D